• Natural Capital Declaration
  • Natural Capital Declaration
  • Natural Capital Declaration
  • Natural Capital Declaration
  • Natural Capital Declaration
  • Natural Capital Declaration

Sobre a Declaração do Capital Natural

A Declaração do Capital Natural (DCN) é um compromisso de CEOs do setor financeiro. É convocada e promovida em seus nomes por um secretariado composto pela Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP FI em inglês), pelo Global Canopy Programme (GCP) e pelo Centro de Estudos em Sustentabilidade (GVces) da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas.
 
A DCN nasceu da percepção que instituições financeiras pode se beneficiar com melhores diretrizes de como incorporar aspectos específicos de fatores ambientais, sociais e de governança corporativa (ESG em inglês) na sua gestão de risco, due diligence,empréstimos, investimentos e atividades de seguro.

A ideia da Declaração evoluiu como parte do trabalho da UNEP FI em biodiversidade e finanças, bem como seus esforços para articular um case de negócios para que as instituições financeiras começassem a discutir questões de capital natural nas suas operações.

 

Em 2010, o debate sobre a conexão entre biodiversidade e finanças gerou a publicação do estudo Desmistificando a Materialidade: Incorporando a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos no setor financeiro (Demystifying Materiality: Hardwiring biodiversity and ecosystem services into finance) lançado pela UNEP FI e seus membros do setor privado durante a Conferência das Partes para a Convenção sobre Diversidade Biológica em Nagoya, no Japão, naquele mesmo ano.

In 2010, the debate on the interconnectedness of biodiversity and finance prompted the publication , launched by UNEP FI and its private sector members at the Conference of the Parties to the Convention on Biological Diversity in Nagoya, Japan, that same year.

 

Durante os anos de 2010 e 2011, seis reuniões regionais assistiram instituições financeiras, a Organização das Nações Unidas (ONU) e membros da sociedade civil chegarem a um acordo quanto à necessidade de expor suas perspectivas comuns.

 

A Declaração do Capital Natural teve origem a partir das discussões e contribuições dessas reuniões. Em 2011, a mesma uniu forças com uma iniciativa paralela do setor financeiro com o mesmo nome, facilitada pelo grupo de reflexão sobre meio ambiente, o Global Canopy Programme (GCP) em Oxford e a Fundação Getulio Vargas (FGV), escola Administração de Empresas líder na Latina Americana.

 

O GCP tem engajado instituições financeiras ao redor do mundo por meio do seu Forest Footprint Disclosure Project, que encoraja as empresas a entender seu impacto em florestas como capital natural por meio de suas operações e cadeias de suprimentos. Esta iniciativa é apoiada por mais de 7 trilhões de dólares sob a gestão do setor financeiro. O novo secretariado apresentou a Declaração do Capital Natural durante a Mesa-Redonda Global da UNEP FI (UNEP FI’s Global Roundtable em inglês) em Outubro de 2011 e convidou as instituições financeiras do mundo a assinar.

 

A Declaração do Capital Natural será lançada publicamente em junho de 2012, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, ou Rio+20.